Quem chega deve ou não respeitar os costumes que lhe são impostos?

Comunidade CH - Quem chega deve ou não respeitar os costumes que lhe são impostos

É um tema demasiado discutido na era da globalização e do contacto entre diferentes culturas. A Suíça é um país que acolhe cidadãos de várias nacionalidades, muitas delas com costumes e religiões completamente diferentes das que se praticam no país. E quando assim é, como devem os cidadãos que chegam à Suíça comportar-se, sempre que os seus costumes são contrários aos que aqui são praticados?

Vários foram já os confrontos entre culturas, mas o governo suíço tem tentado amenizar as situações, encontrando sempre formas que permitam que todos vivam em harmonia. No entanto, todos os dias surgem novos confrontos de ideias, o caso mais recente refere-se a dois adolescentes de origem síria que terão recusado apertar a mão de uma professora.

O pai das crianças terá alertado os filhos para que estes não entrassem em contacto com mulheres externas à família, pois tal acto é proibido pelo Corão. O acto gerou controvérsia na escola e a Justiça teve de intervir. As autoridades locais decidiram que os alunos são, a partir de agora, obrigados a cumprimentar fisicamente o professor, antes e depois de cada aula.

Caso, os pais não permitam tal acto aos filhos, poderão ser sancionados com uma multa, que poderá ir até aos 4,5 mil euros. A ministra da Justiça Suíça, disse num canal televisivo que apertar a mão ao professor “faz parte da cultura do país”.

O aperto de mão é já uma tradição antiga nas escolas helvéticas e, por isso, os legisladores consideram que os professores têm todo o direito de exigir aos alunos esse cumprimento.

Os rapazes envolvidos na polémica afirmam que não vão alterar as suas atitudes. Em que ficamos? É pergunta que fica, porque ninguém quer ceder, por um lado a Suíça não abre mão da tradição antiga, por outro, os alunos não querem abrir mão da sua cultura e tradição. Quem chega deve ou não respeitar os costumes do país?

Comunidade CH - Quem chega deve ou não respeitar os costumes que lhe são impostos